segunda-feira, 17 de março de 2014

Thanks Brian and see you soon!

Michael Renard, Fanato Esporte e Turismo
No sábado (15 de março de 2014), a Irlanda conquistou em Paris o título do Seis Nações após uma vitória apertada em cima da França por 22-20. Apesar de terminar o torneio empatado com a Inglaterra que atropelou a Itália por 52-11, a Irlanda levou vantagem no saldo de gols. Os ingleses também mereciam vencer, sobretudo após ter superado os mesmos irlandeses na ocasião do confronto direto em Londres. Mas os ingleses levaram com eles durante todo o torneio a pedreira da derrota na estreia contra os franceses em um jogo que eles nunca deveriam ter perdido. Podem se arrepender de uma conquista que estava quase nas mãos deles.
Do lado dos vencedores irlandeses, a festa foi fantástica. Ainda mais do que se pode esperar de tal vitória, pois o jogo foi marcado pela despedida de um dos maiores jogadores internacionais dos últimos anos: o capitão irlandês, Brian O’Driscoll.

Nascido em 1979 em Dublim, O’Driscoll foi a peça principal da seleção irlandesa neste início de século 21. Neste período no qual ele jogou, o país faturou duas taças no Seis Nações (2009, 2014), considerado o campeonato europeu da modalidade. Infelizmente, o sucesso na Europa não foi repetido nas Copas do Mundo. De fato, a lenda irlandesa e seus companheiros nem conseguiram sequer uma vaga para as semifinais, com derrotas nas quartas de final contra o País de Gales em 2011, na primeira fase perdendo da França e Argentina na Copa de 2007, nas quartas de final contra a França em 2003 e nas oitavas contra a Argentina em 1999.
Em clube, o jogador passou toda a sua carreira no Leinster, uma das províncias irlandesas. Chegou a conquistar três vezes a Heineken Cup (2009, 2011, 2012), a principal competição  de clubes na Europa, e o Leinster se tornou um dos maiores clubes do continente. Ele é um verdadeiro ídolo no clube não somente pelas suas qualidades, mas também pela sua fidelidade ao clube.

O’Driscoll recebeu varias distinções como em 2010, quando ele foi consagrado o melhor jogador da década pela famosa revista Rugby World. Com 141 jogos, ele se tornou também o jogador com mais seleções internacionais na história do rugby.
Para entender um pouco melhor a popularidade de O’Driscoll no país, um projeto de estátua está a caminho, além de camisas que foram comercializadas na Irlanda com o lema “In BOD we trust”, ou seja “Em Brian O’Driscoll nós acreditamos”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário